sexta-feira, 31 de agosto de 2012



Enigma do Outro

O que eu sou verei sempre no que és,
Mas o que és poderá sempre surpreender-me.
O que és por todo, verei apenas se transparecer-me, se não,
Só o que sou estarei vendo no que és, 
Independente do que sejas.

O que eu vejo em ti, é tudo que sou e mais um tanto,
O tanto é o que me surpreender.
Nem tudo o que és carrego dentro de mim,
Mas tudo que carrego em mim,
Tu sempre serás pra mim.

Tudo que tu és sou eu mais todo o resto,
Tudo que eu sou és tu segundo mim,
Portanto, nem tudo que vejo em ti sou eu,
Mas tudo que eu sou estarei sempre vendo em ti.

(Philip G. Mayer)

Nenhum comentário:

Postar um comentário