quinta-feira, 23 de março de 2017

O que a psicanálise não entendeu?

    Psicanálise, a arte de considerar uma teoria sobre o discurso do paciente, mas jamais uma teoria do discurso do paciente. Em outras palavras, a arte de ensurdecer para o que o paciente diz, e só ter ouvidos para uma teoria que se aprendeu na academia sobre o que o paciente manifesta. No final, o analisando só tem duas opções, ou aceitar que o analista lhe trouxe uma espécie de revelação divina sobre ele, ou que deverá procurar alguém que finalmente lhe ouça de verdade. 

    O que a psicanálise não entendeu? É que um paciente quando procura por ajuda, ele tanto não quer ouvir verdades estranhas a si próprio, quanto também não quer que alguém concorde com as próprias verdades que traz. Se ele quisesse o primeiro caso, poderia procurar por um padre que lhe dissesse o que Deus reserva para sua vida, ou se fosse o segundo caso poderia perfeitamente ficar em casa, relatando seus causos para as paredes de seu quarto, os melhores ouvintes que sabem concordar com tudo que dizemos. Quando um paciente procura por ajuda, no fundo o que ele quer é alguém que lhe esfregue algo muito singular na sua cara, que possa lhe dar um tabefe doloroso quando, mediante a mais pura argumentação lógica, é cabalmente convencido de uma vez por todas do contrário daquilo que era a única coisa que conseguia enxergar diante dos olhos (e que constituía propriamente seu demônio), alguém que lhe puxe todos os seus tapetes, alguém que questione tão criticamente o nexo lógico das suas próprias ideias e preconceitos, que no fim ele possa vir a padecer até mesmo de uma crise de identidade. É aqui, e só aqui nessa vertigem, despojado de tudo que pra ele sempre foi tão certo, sempre mereceu sua obediência cegueta e mesquinha, que então deverá sentir o peso do que é assumir uma responsabilidade sobre o que deverá fazer consigo mesmo pelo futuro que tem a frente, responsabilidade pelo próprio destino, isso é, sentirá liberdade em conceber o que deve ser a vida para si próprio, independente de todo discurso que lhe moldara de modo opressor e acriticamente no passado. 

    Perigoso isso? Certamente, e eu me pergunto, será que temos psicólogos hoje capazes disso? - Um tal trabalho desses é o que Sócrates por exemplo fazia entre os gregos, e acabou sendo condenado por estremecer a ordem social vigente. - Será que isso ainda seria um psicólogo? Ou antes, primeiramente um grande amigo? Além do mais não é todo paciente que é disposto a encarar isso de frente. Porém, justamente por isso não ser pra qualquer um que a psicanálise sobrevive até hoje, oferecendo a seus pacientes no máximo um consolo para suas reclamações.

                                                                                          Philip G. Mayer

Sigmund Freud, pai da psicanálise.

Nenhum comentário:

Postar um comentário